Não vale a pena fazer lançamentos no Festival de Veneza, diz ‘Variety’

Principal publicação sobre o mercado afirma que evento é muito caro.
Lançamento de ‘Desejo e reparação’ no ano passado custou US$ 1 milhão.

Da ANSA

Keira Knightley e Saoirse Ronan em ”Desejo e reparação” (Foto: Divulgação)

A Mostra Internacional de Cinema de Veneza é “muito cara” para os produtores norte-americanos e por isso não vale a pena fazer grandes lançamentos neste festival, argumenta Adam Dawtrey em um artigo publicado pela revista “Variety” sobre a entrada dos filmes de Hollywood no mercado europeu.

Segundo o texto, o alto custo para promover longas de autor nos festivais pode deixar o tapete vermelho vazio. Dentro dessa perspectiva, Veneza está “particularmente vulnerável, devido aos custos exorbitantes e da proximidade dos festivais de Toronto e Roma”.

“Veneza é ferozmente cara e isso é um fator para muitas distribuidoras e sociedades que se ocupam da venda internacional dos filmes”, disse Jonathan Rutter, assessor norte-americano. “As pessoas que adquirem títulos vão mais a Toronto, onde se encontram mais sessões paralelas e mais produtos.”

“Os hotéis de Veneza são obscenamente caros e não muito bons, custa uma fortuna alugar um espaço para fazer entrevistas, e o serviço é terrível. Depois, há os custos dos barcos, porque todas as grandes estrelas querem se hospedar no Cipriani (o hotel mais famoso de Veneza)”, continuou Rutter.

No artigo, Dawtrey cita o exemplo do filme “Desejo e reparação”, dirigido por Joe Wright e protagonizado por Keira Knightley. O lançamento do longa-metragem no Festival de Veneza do ano passado custou à Universal US$ 1 milhão, e o estúdio teria hesitado antes de lançar ”Burn after reading” (novo dos irmãos Coen) neste ano.

O novo trabalho de Keira Knightley, “The duchess”, foi cotado para participar da Mostra de Veneza, mas ele será exibido no Festival de Roma. “A nossa distribuidora italiana, BIM, preferia Roma a Veneza tanto por motivos de data (é melhor lançar um filme na Itália em outubro) e, depois, por causa de custos”, explicou François Ivernel da Pathé.

A exceção é o vice-presidente executivo de marketing da Sony Pictures, Sal Ladestro, que levou à Mostra de Veneza “Rachel getting married”, de Jonathan Demme. “Trouxemos no ano passado ‘Um jogo de vida e de morte’, que se saiu muito bem na Itália, França e Espanha, e acredito que o lançamento em Veneza fez muito bem para o filme”, disse Ladestro.

Anúncios

~ por Rebeca Bartolote em agosto 27, 2008.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: